existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
22
Out 07
publicado por alemvirtual, às 13:19link do post | comentar

Manhã de Outono parecendo o entardecer de um dia estival. A luz, a temperatura, o céu azul sem nuvens, intensificavam-se naquelas "línguas de fogo" de um laranja, forte, como os raios de sol, beijando o horizonte em tade de Verão.

Tudo organizado, tudo muito "comercial". A prova de 2006 vivi-a de maneira diferente, intensamente.

Não, não foi pelo estado de espírito com que corri.

Este ano, achei tudo muito bem, tudo tão bem quanto o ano passado, no entanto...No entanto,  faltou o ingrediente mais importante: calor humano.

De uma grande organização, espera-se um grande evento. Assim foi e assim será (espero).

Mas à medida que se "cresce", transformamo-nos. E podemo-nos transformar, valorizando e desenvolvendo  aspectos positivos ou até  assumir alguns negativos que se tomam como "naturais" nesse processo de crescimento. Veja-se o exemplo das pequenas mercearias do comércio tradicional versus hipermercado ou outra grande superfície comercial.

Senti-me sozinha a correr os 10 Km, apesar dos 8.500 inscritos e participantes.

 A poucos metros da Meta encontrei uma cara conhecida, a Sandra, foi o único momento bom da corrida. Não por desconhecer os outros. Na edição anterior também não conhecia ninguém, no entanto, senti-me a correr entre amigos, numa prova alegre, organizada, apelativa. Por isso, este ano quis repetir, mas ficou uma sensação de "vazio". Para o próximo ano, procurarei uma prova mais "rústica", mais "caseira" em menor "escala" onde possa sentir o que mais aprecio no mundo da corrida: calor humano.

Na nossa sociedade, cada vez mais desumanizada, importa preservar e fomentar estes nichos de autênticos valores humanistas. Atrever-me-ia a afirmar, de valores judaico-cristãos, pois sãos os pilares da nossa sociedade.  Ao voltar costas à sua ancestralidade ética e moral, entrou numa crise de valores (a todos os níveis), da qual resulta a sensação de vertigem, de desconforto e desorientação. Falta pautar a vida por ideais comuns e formas colectivas de gratificação pessoal. Urge descobrir de novo que a individualidade não nos deve remeter para um individualismo egoísta, mas sim para a acção, de expressão conjunta, onde cada um seja e valha, exactamente, por aquilo que é na sua essência. 

 

Bem, eu não sou grande corredora. Sou uma corredora. Tenho capacidade para isso. Tenho funcionalidade nos dois membros inferiores e capacidade para a executar.

Dei por mim, ridiculamente, a desenhar cenários de corrida, colocando hipóteses de tempo gasto.

 

Depois, chorei. Senti raiva de mim mesma, pois apercebi-me dessa forma inconformista de ser. Não soube ainda aprender a valorizar as pequenas coisas da vida e tive uma tão grande lição de vida!. Que importava o tempo que faria? O importante era poder correr. A minha filha tinha perdido o andar.

Fui, apenas para correr. Mas não consegui desligar-me do cronómetro, nem de ir fazendo contas ao longo do percurso, nem de me esforçar por reduzir ao máximo o tempo em cada quilómetro. Logo, o meu propósito foi uma farsa. Não fui apenas para correr. Fui para me testar e saber até onde me podiam "levar as minha pernas". Ainda sonhos com sucessos...

 

Corri com ela no pensamento e numa foto que coloquei na t-shirt. Corri com raiva e com desespero.

Mas só quero aprender a correr, apenas porque posso correr. É esse o caminho que me falta e o treino a concretizar.

 

 Ontem, nos 10 Km gastei 54´ 54´´. Quero interiorizar que o tempo é relativo e assumir isso como verdade na minha vida. Quero desvalorizar o que não tem valor... Por enquanto não consigo. Mas vou tentar...

 

img509/2149/corridatejo2007035xb0.jpg

Tenda no Palácio Ribamar (entrega chip e t-shirt)

img139/7407/corridatejo2007050us5.jpg

A "nossa" Vanessa

img509/7320/corridatejo2007044xd7.jpg

img521/8015/corridatejo2007043id6.jpg

O meu aquecimento (não, não estava a chorar; era alergia)

img521/8813/corridatejo2007054dt0.jpg

A partida

img139/9360/corridatejo2007060mb2.jpg

À chegada.

img139/4947/corridatejo2007064iv3.jpg

img139/2870/corridatejo2007069tz3.jpg

Santo Amaro de Oeiras

img509/4966/corridatejo2007017hy5.jpg

img525/4161/corridatejo2007022xx5.jpg

img528/2016/corridatejo2007030qi9.jpg

img528/9708/corridatejo2007018kk4.jpg

img218/2905/corridatejo2007025mc0.jpg

Lisboa (zona de Santa Apolónia e Terreiro do Paço), fotografada no dia anterior à corrida, quando fui levantar o chip

 


Olá Ana Paula,
Antes de mais, queria dizer-te que realmente correr com os amigos é maravilhoso e tu és uma grande amiga. Uma vez mais foi um prazer e uma alegria enorme ver-te correr. Para mim, como te disse na corrida, és uma vencedora de verdade.
Um dia escreveste que o que mais adoras é o calor e a força que nós atletas damos uns aos outros, mas sabes que esta corrida (que também foi a minha estreia há dois anos neste Mundo dos 10 Km's) é hoje uma corrida popularmas famosa e como tu mesma dizes, é um hipermercado das corridas. É natural que sintas o que sentes, porque as nossas corridas menos divulgadas são sempre feitas pelas mesmas caras que vemos sempre e que são de quem nos aquece o coração com um pequeno empurrão - "Vamos lá, força, falta pouco..."
Os meus dois grandes amigos- Carlos e João- são dois grandes amigos das corridas que eu tanto adoro.
Quanto aos tempos, Ana Paula, é um "bichinho" que não controlamos. Mas sabes, eu costumo dizer que a vida é feita de objectivos e nas corridas o mesmo se passa, quando os mesmos deixam de existir, deixamos de correr...
Nunca deixes de Correr Ana Paula...
Mil beijinhos cheios de força desta nova amiga que te adora e admira muito.
Sandra
sininho77 a 22 de Outubro de 2007 às 16:50

Olá Ana Paula
Parabéns pela prova. Terminaste e isso é o que conta, seja a olhar para o relógio ou não. Se terminaste é porque aceitaste o desafio e isso só foi possível porque tens prazer a correr. Onde e como são questões que vamos afinando. Por muito que queiramos o relógio está sempre lá, nem que seja para cronometrar a duração dos treinos em que andamos o mais devagar possível. Continua a correr. Isso é o mais importante. O resto, a cadência, a disposição, variam. Tenta é tornar o prazer de iniciar cada corrida uma invariante. Aí já ganhaste. Beijo grande.
AB
António Bento a 22 de Outubro de 2007 às 19:59

Olá Ana Paula.Apenas hoje voltei a ler os seus textos e foi pelo Mundo da Corrida que tive conhecimento de quem já partiu...os meus sentimentos...sei que já tardios mas sinceros, pois li tudo sempre com muita emoção e com a certeza da mãe corajosa e valente que descrevia o seu sofrimento com tamanha humildade, enfim um exemplo grandioso.Neste momento tenho alguém muito próximo de mim que enfrenta o mesmo problema e vou usar toda esta energia e a lembrança de uma lutadora para puder partilhar tudo de bom com quem enfrenta esta dor.Tenho família em Constância e ao ler esse post foi como se pensasse que estamos todos tão perto uns dos outros...só quero dizer que apesar de não a conhecer é como se fizesse parte do meu mundo, pela coragem demonstrada que tento seguir como exemplo.Obrigada!!!! Um beijo da Rosa Alexandra
Rosa Alexandra a 23 de Outubro de 2007 às 17:11

Apercebi-me, ao ler agora comentários mais ou menos "antigos" que não devo ter agradecido a todos quantos me dirigiram palavras de conforto.

Li e reconheci muitos "nomes" associados a blogues que costumo "acompanhar" e a outros que, embora não parecendo, tenho (ou tinha) por hábito "visitar".
Obrigada. A todos, sobretudo, a quem não o fiz de forma particular.

alemvirtual a 24 de Outubro de 2007 às 18:58

mais sobre mim
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

14
15
16
17
18
20

21
23
25
26
27

28
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO