existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
30
Jun 08
publicado por alemvirtual, às 10:47link do post | comentar

img237/7442/corridadasfogueiras086ad2.jpg

aspecto da zona de Partida

 

Cheguei a Peniche, cansada e irritadiça. O dia, demasiado quente, fazia-me temer um desgaste enorme na prova e não estava muito motivada para tal nem para "derreter" sob uma temperatura escaldante. 

Fiz a viagem do Entroncamento para Lisboa num comboio agradavelmente fresco. Em Santa Apolónia, se bem que o termómetro marcasse 34º não se comparava aos quase 40 que tinha deixado. Aguardei alguns minutos e surgiu o carro do Luís.

Instalei-me no banco de trás do carro, esticando as pernas cansadas no assento e aliviando os pés inchados. A rádio (não sei que emissora) transmitia boa música dos tempos da minha juventude e, intercalava os trechos musicais, com observações muito pertinentes. Comecei a apreciar um pouco mais a viagem, mas continuava sem grande vontade de ir correr 15 Km.

 

Para agravar o mau humor, Peniche estava "gelada". Como é possível quase desmaiar de calor umas horas antes e agora enfrentar um vento tão frio? Quem se lembraria de trazer um agasalho?

Comecei a lamentar-me interiormente e a censurar-me por "embarcar" nestas aventuras, enquanto subia as ruas empedradas ao encontro da minha equipa.

O estômago roncava reclamando alimento. Parecia ter engolido um urso. Afinal, só tinha comido um tomate com atum e maionese ao almoço, era natural que estivesse faminta.

Ao chegar à carrinha do meu clube, o ânimo mudou completamente. Fui recebida com abraços e beijos sinceros. Sinto-me sempre muito acarinhada. Eles são parte da minha família, de uma família que recebi por acréscimo ao entrar nas andanças da corrida.

Apareceu, logo, um casaco, miraculosamente.

O estômago animou-se e o sorriso nasceu. Havia bola de carne, bolo de frutos secos, bolo de chocolate e maçã, queijo seco, chouriço, arroz doce e, sei lá, mais quantas iguarias.

Bem, se é assim, fora com o mau humor!

E viva a festa!

 

Peniche é terra de pescadores. Cidade costeira, implantada em zona baixia, proptegida pelos precipícios rochosos das falésias traiçoeiras. Em baixo, o mar ruge e brame contra elas.

Associa-se Peniche ao bom peixe fresco. Terra de gente simples e franca,  de gente lutadora que granjeia o sustento arrancado à força das vagas.

A todos, quantos trabalharam arduamente para me oferecer (e a mais uns milhares) esta festa popular e a boa sardinha assada, muito obrigada.

 

A MINHA PROVA

 

Primeiro, foi um banho de multidão. O encontro com algumas caras conhecidas, a nostalgia que me reporta a Constância e ao Entroncamento. A um passado recente que não voltará jamais.

Depois, foi um mergulho no escuro, ao encontro de pontos luminosos que aqui e ali aumentavam de tamanho à medida que me aproximava. Fogueiras que cresciam sobre as rochas, alimentadas por mãos voluntárias, quebrando as trevas de uma noite sem lua.

E a meu lado, o meu bom amigo António, guiando-me neste sobe e desce do Cabo Carvoeiro. O António, um atleta de mão-cheia, amante das Maratonas e das Ultra-Maratonas, é o meu anjo da terra, sempre que corremos juntos. Aliás, quando ele não está, a corrida para mim, fica incompleta. Ele tornou-se o meu mentor e o meu guia, nos quilómetros que corremos lado a lado. A sua voz faz parte das minhas pernas, da minha vontade e do ar que entra e sai dos meus pulmões. Sinto-me  muito grata por ele correr comigo. Bem hajas, António.

 

Gosto de correr e observar. Correr e sonhar. Correr e rezar. De noite e de dia corro com uma estrelinha azul ao peito. A minha estrelinha...

 

Pontos brancos rasgavam o céu, gritando estridentemente. Eram as inúmeras gaivotas, verdadeiras senhoras destes palácios rochosos.

Lembrei-me de um livro autobiográfico de um amigo do Entroncamento a quem um AVC não o impediu de continuar a voar nas asas do sonho "Voando nas asas de uma gaivota" - Vitor Mateus. 

 

Pesquisando na internet para confirmar o título deste livro, encontrei este comentário e vi logo que eram palavras da minha filha. Foi um choque, sobretudo porque sei que não são palavras delas.

Nas asas de uma gaivota
Enviado por Margarete em 14/06/2007 10:57:11 (148 leituras internas) Contribuições deste autor
Letras

Pensei hoje num incrível momento de loucura subir à janela e atirar-me, apanhar uma gaivota e voar por aí sobre os mares, esquecer quem sou e o tempo que não tenho, esquecer as lágrimas perdidas e no cimo da vida pular de contentamento, esquecer os pensamentos ensanguentados e ser-me assim como nunca fui nas asas de uma gaivota.
Queria eu vencer as batalhas todas de seguida, numa rajada inspirar o amor que sinto não existir no coração dos outros e como se eu fosse pura, mais pura do que as águas cristalinas, ver reflectidos em mim os sonhos deles sem pontas de ódio ou de ruptura... só e apenas assim ser nas asas de uma gaivota.
Cala-te boca! Cala lá todas estas palavras porque hoje a loucura é muita e a febre de sentir me vence, porque hoje a vontade de ir me surpreende.

 

 

Ouvia a canção do mar. Lia as placas do caminho. Uma dizia "Caminho do Inferno", mas não fomos por ali. Não quero mesmo ir por aí.

 

Entre os foguetes da partida (que eu detesto. Tenho medo de foguetes) e o silvo do chip à chegada decorreu 1h 25m e 11s. E foi durante este tempo que percorri os 15 Km, numa corrida satisfatória, com alguma má disposição na parte final, mercê do excesso de bola de chouriço comido antes. Mas nada de grave. Já tinha aderido completamente à festa.

 

Esta foi a prova onde senti mais interacção com o público. Sobejaram incentivos e aplausos. Não seria a mesma se lhe faltasse esta moldura humana.

 

Se a prova fosse só para mim, daria o tiro de partida meia hora mais cedo. Como sou lenta haveria tempo para escurecer e realçar o brilho das fogueiras...

Se pudesse, roubava um pouco à faixa da estrada por onde circulavam os veículos, a fim de não ser tão compacto o cordão humano das fogueirinhas e das fogueiras.

 

 

 

img237/6882/corridadasfogueiras117ol5.jpg

na sardinhada


Olá Paula

Não me pareceste nada irritadiça quando nos encontramos, mas deves ter disfarçado.

Fico contente por ti, por teres encontrado nesse grupo uma "2ª família" como chamas. De facto os AMIGOS, desde que o sejam, e que nós os mereçamos, são fundamentais. Mais importantes podem ser até que a própria família. O sangue, não vale nada, mas sim os comportamentos e atitudes das pessoas.

Fizeste uma bela prova, tentei acompanhar-vos mas depressa me apercebi que o meu andamento era outro. Por ora.

Um beijinho e uma boa semana

Ana Pereira

Ana Pereira a 30 de Junho de 2008 às 22:51

Ola Amiga

Mais uma vez tive o prazer de estar contigo, e como sempre é bom ver-te. Fica prometido, para a próxima corrida, levarei um megafone e vou falar bem Alto
- Go Ana Go
Parabéns pela tua prova e tempo.
Carlos Lopes a 30 de Junho de 2008 às 23:57

Minha querida Ana Paula ainda há pouco lia um comentário seu que muito me emocionou e não, não pensei nada em relação às suposições que fez, ainda não me conhece mas quando me conhecer irá entender porque não o fiz, simplesmente porque vai contra o meu modo de ser, o meu jeito de viver.
Espero que esteja melhor dos pés depois dessa corrida, fiquei feliz ao saber que foi a Peniche, Peniche é daqueles lugares onde nunc a fui mas onde sempre estive.
Obrigada, mil vezes obrigada por me ter contactado, sinto que foi das melhores dádivas que recebi nos últimos anos, se houver Deus ele há-de entender porque a pôs no meu caminho, se não houver nos mais tarde ou mais cedo iremos descobrir.
se quiser me contactar use meu email.
um abraço em si*
Margarete da Silva

P.S. as palavras que são minhas maiores aliadas hoje fogem-me depois de conhecer a sua filha. que ninguém a esqueça, bonita menina.
Margarete a 1 de Julho de 2008 às 10:52

Olá Ana Paula

parabéns pela prova e pelo tempo que fez.
António Almeida
António Almeida a 3 de Julho de 2008 às 22:41

mais sobre mim
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
25
26
27
28

29


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO