existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
09
Abr 10
publicado por alemvirtual, às 15:56link do post | comentar

Depois de uma curva surge do nada. Irreal, altaneiro sobre as águas, como se supenso descido do céu, desvenda-se o castelo aos olhos de quem passa. Este é o meu Castelo. Castelo de mouras encantadas, de lendas, de lutas e de vitórias. Sempre vitórias...

 

O rio vai calmo. O leito voltou ao curso normal. As margens são verdes, bordadas a ponto de malmequer, de cardos e giestas e cheiro de flor de laranjeira.

 

Há quem seja dono das estrelas. Seja dono de sonhos. Eu sou dona de um castelo. Um castelo feito de sonhos e um sonho em forma de estrela. A minha estrela é única. Não ocupa lugar fixo na abóbada celeste. É uma estrela mágica. De manhã cedo, muito cedo, pinta o céu de azul... E assim fica, em tons de cristal azul. O Sol ri-se. Acho que gracejam todo o dia. A estrela-sol e a estrela-azul (sei disso, porque foi  a moura do castelo que me contou...). À noite, disfarça-se no meio das outras. Escolhe um lugar do negro profundo, das entranhas do infinito para continuar a sorrir. Eu vejo-a. Outras vezes, brinca comigo à escondidas (porque o sol se foi deitar) e brilha, ainda mais, em alguma constelação distante.

 

Quando se corre na margem do rio, dá-se a mão à fantasia. Lá ao longe, emergindo da rocha, é o castelo sólido que nos olha. Aqui perto, tão perto que não se vê, a forma difusa da ninfa diáfana que brinca na margem.

Continuo correndo, enebriando-me com a flor de laranjeira, as papoilas e os malmequeres; As azedas, as giestas, as estevas, os cardos e o lilás florido de uma árvores cujo nome já esqueci...Tanta cor. O mundo é feito de cor. E depois há a cor da água, a cor da rocha, a cor da terra, a cor das aves, a cor verde que cobre os campos, este mesmo verde que corre em direcção ao céu e se transforma em azul profundo. E há a cor dos sonhos e dos castelos. A cor da carne e a cor da viva.

Vejo os meus braços que oscilam no ritmo da corrida. Ouço os passos no caminho; a água que corre também, os pássaros lá nos ramitos, uma voz perdida ao longe...

E da cor perco-me no som. Um violino toca para mim. Apenas um, mas com ele toda uma sinfonia...

Por ali fico, olhando o castelo. Apenas uns instantes.

 

Voltando as costas ao castelo, corre-se na direcção inversa. É voltar as costas ao sonho, mas sei que ele espera por mim. Todas as vezes que quiser vir. Em cada dia que quiser correr. O castelo e os sonho... As estrelas e a moura...

 

É assim. O castelo alberga história. As histórias tornam-se lendas. Eu ouço-as no eco dos passos de corrida.

 

Não sei por que se corre, mas eu gosto de correr. Não sei por que se gosta, mas sei que quero correr...


olá Paula
obrigado por partilhres a vossa estrela azul connosco.
torna-nos a vida mais bela, o céu mais feito de esperança e a terra mais plena de alma.

Beijos Grandes
António - Tartaruga
António Bento a 9 de Abril de 2010 às 21:24

Amiga ANA,

Como grande amante da natureza mergulhei,profundamenente,na sua bela escrita.O tempo,para mim e,infelizmente,escasso,mas quando passo pelo seu "espaco"torna-se mais aliciante,mais calmo.
Planeio viajar,se DEUS quiser,em octubro e,seria um imenso orgulho em,pessoalmente,"meeting you".
Desde ja a convido a vesitar o meu"pobrezinho"blog.
www.vancortlandtc.blogspot.com
Ate breve,beijinhos,optimos treinos.


algueirao a 10 de Abril de 2010 às 14:21

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23

25
26
27
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO