existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
07
Jul 10
publicado por alemvirtual, às 11:22link do post | comentar

Qui ti aspetterò
E rubero I baci al tempo
Tempo che non basta a cancellare
Coi ricordi il desiderio che
Resta chiuso nelle mani
Che ti porti al viso
Ripensando a me
E ti accompagnerà passando le città da me
Da me che sono ancora qui
E sogno cose che non so di te
Dove sara che strada farà il tuo ritorno
Sogno

 

(de Andrea Bocelli)

 

 

O céu prenuncia tempestade. Cinzento, carregado, quente como sopro febril. Já antes de olhar o céu havia prenúncio de tempestade por aqui. Cá dentro. Dentro do peito e da alma. As tempestades emotivas são as que mais me aterrorizam agora. Os raios e trovões ficaram guardados para momentos mais reais, não estes dos quais teimo em fugir.

 

É uma revolta muda que me invade. Uma dor surda que cresce. Cresce à medida que me interrogo qual a estrada que te trará de regresso.

Sei que não voltas. Sei que não partiste por uns dias. Sei que é inútil esperar-te. Mas continuo à espera que voltes.

 

Tinha ligado o teu leitor de cd assim que entrei no quarto. Coloquei-o no chão, perto do teu violino e do órgão que esperam o teu regresso. Tal como eu. Lá dentro permanece quase sempre o sogno. Ouço-o de vez em quando. Este e outros. Mas este (e uns outros) em especial. Tu sabes.

Abri a janela. Abri as gavetas. Abri os armários e algumas caixas. Percorro com o olhar o teu espaço. Continua tudo pronto à espera que regresses. Tens os vestidos pendurados nos cabides. Os sapatos arumados. Os fios e os brincos, as pulseiras e as flores do cabelo nas caixinhas. Os livros novos à espera que os abras. Os cadernos à espera que os escrevas. As canetas à espera que as use. Tudo te espera. E todos te esperam. Eu mais que ninguém, acho eu. Não sei. Talvez seja pretensão de mãe. Mas espero-te. Espero-te nos dias em que rio e nas mannhãs em que choro. Espero-te nas noites em que sonho e nas tardes que me atormentam. Espero-te quando corro e espero-te quando não tenho força para correr.

 

Não sei porque partiste. Nem acredito que tenhas partido. Deixei de te ver apenas. Sei que te escondes de mim. Talvez estejas aqui ao lado. Um dia, uma gargalhada tua há-de denunciar a tua presença. Sei que não irás conter o riso muito mais tempo. Eu espero...

 

Limpo o pó aos móveis. Um pó fino e escuro, aquele pó invasivo que só existe nas casas desabitadas. Estúpido pó. Não sabe que aqui mora gente. Moras tu. Moro eu que te espero. Esta é a nossa casa.



Qui ti aspetterò

E porque importa fazer tudo como se estivesses apenas ausente, tinha corrido pela manhã. Foram 43 minutos entre o verde das árvores e o azul habitual dos meus sonhos. Hoje sonhei a Maratona. Sim, sim....sei que já sorris.


Oh Paula
Lindo,lindo . Mas não espere por aquilo que está em si, pois foi a si que coube dar continuidade à "missão" da vida. E tem uma estrelinha a vigiá-la e a incentivá-la.
Se sonhou a maratona, com o seu querer, daí à realidade é um pequeno passo.
Grande beijinho, Paula.
FA
Fernando Andrade a 7 de Julho de 2010 às 14:03

escreve o FA: "... coube dar continuidade à "missão" da vida"

é esta a verdade Paula. Por muitas verdades que queiramos que existam e viver dentro da nossa,só dentro da nossa para fingirmos que nos magoamos menos, há verdades inegáveis e irrecusáveis, por mais dolorosas que sejam. Há coisas que jamais voltam. A Morte é irremediável. Infelizmente sabes isso, melhor que a maioria de nós, da pior maneira possível, que é a perda de um filho. Viver dentro da nossa verdade pode custar-nos a perda da nossa própria vida e outros, vivos, aqui e aí ao lado, ainda aí estão, contigo, a precisar de ti, a quem tens tanto para dar. Ao mundo. E que "perdem" enquanto tu esperas... pelo que não volta.

A tu, coube dar continuidade à "missão" da Vida. E tu tens dado, que eu bem sei...

Continua a Viver amiga.A VIVER! De certeza que isso é o que a Margarete quer, lá, onde quer que cada um de nós imaginemos que ela esteja.

Um beijo
Ana

ps: 43 minutos? Nada mau! sábado Lagoa, e vê se levas o teu "piqueno" - gostava que ele fosse ganhar o medalhão para mim. Já lhe falaste disso?
Ana Pereira a 7 de Julho de 2010 às 15:06

Olá Ana Paula
muitas vezes passo por aqui, muitas vezes fico sem palavras...
Forte abraço,
O homem que corre.
António a 7 de Julho de 2010 às 15:46

Sonhar é a felicidade, esperar é a vida .

Abraço.

Constância.(vila poema.)
Anónimo a 7 de Julho de 2010 às 20:48

Com um beijinho a acompanhá-la sempre, nos "bons" e naqueles momentos em que não estamos bem em lado nenhum, a vida por mais que custe, continua.
Um beijinho do Pára
joaquim adelino a 7 de Julho de 2010 às 23:26

"... nada me consegue dizer como será o dia de amanhã... apenas posso julgar o de ontem ou, levianamente por extemporâneo, o de hoje... nada me diz se amanhã olharei da mesma forma que olhei ontem, se amanhã direi o que disse ainda há poucos minutos, se amanhã farei o que ontem foi um facto, um ser, um sentir, um estar... amanhã, será um ontem para depois de amanhã; depois desse amanhã eu saberei dizer mas agora não... agora, aqui e em mim, apenas o que vivi, o que sei que foi, o que senti, o que vivenciei num misto de temor e destemor, num misto de leveza e peso de se ser o que se é e o que se transmite ao outro... agora, aqui e em mim, apenas o fragor da essência que me transmites e que trago comigo e que guardo em mim, apenas o saber que o foi, apenas o saber que fomos, apenas saber o que se sentiu... nada me consegue dizer como será o dia de amanhã mas é tão bom saber como foi o de ontem e o quanto de bom ele foi e o que nos deu..."

Adoro-te Melguinha... Foges Comigo?
Nuno Sampaio a 8 de Julho de 2010 às 10:29

mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO