existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
02
Abr 07
publicado por alemvirtual, às 09:16link do post | comentar

 

 

 img147/4685/corridadossinosgeralil9.jpg

img85/8127/corridadossinoseuchegadwc5.jpg

 

Sou controversa. Sou pacífica. Sou tímida. Sou atrevida. Sou convencional. Sou vanguardista. Sou fumadora. Sou corredora.

O sou poderia poderia repetir-se quase até ao infinito. Não somos nós, enquanto pessoas, tantas pessoas diferentes num único eu? E é esse eu que sendo irrepetível e inigualável nos torna diferentes. E na diversidade reside a riqueza.

 

Pois, iniciando a narrativa, começo precisamente pelo fim.

 

Cheguei! Consegui!

Ouvi o Piiiiiii............. do chip ( eu chamo-lhe chipinho) na linha da Meta.

Tinha decorrido 1h 23´ 38´´ desde o tiro da partida. Ao longo deste tempo, corri e contei um a um, os 15 Km da Corrida dos Sinos de Mafra, nesta que foi a sua vigésima quinta edição.

Integrei os 1106 atletas que concluiram a prova (resultados e fotos em http://www.sinos.aamafra.com).

 

Ao longo dos últimos quilómetros, desconhecidos acompanharam-me e incentivaram-me. Falta pouco. Força. Está quase. São só mais estes dois quilómetros. Vê o parque?

 

Eu via o parque. Via o verde de relva, ornado de  malmequeres e balões amarelos, bandeiras ondulantes ao vento e um mundo de gente que os meus olhos viam felizes...Fui trocando algumas frases com o meu companheiro daquele último esforço e desejei que o troço final não terminasse para prolongar a felicidade que sentia. (E sentia-me também quente e vermelha. Nunca transpiro ou transpiro quase nada, talvez por isso fique vermelha como um tomate e sinta as bochechas prestes a rebentar de calor! Lá se vai a fotogenia...bem, mas essa faceta também faz parte de mim....)

 

 

Alinhados na zona da partida os participantes da Corrida dos Sinos e dos Sininhos. Milhares de balões amarelos esvoaçavam. Ao longe, vislumbravam-se as torres do Convento de Mafra, imponentes, recortadas contra os castelos grossos de nuvens. Soltaram-se os balões e uma salva de palmas espontânea brindou aquele gesto colorido e o início das provas.

 

Os primeiros quilómetros fi-los com os elementos da minha equipa. Talvez até ao quilómetro 7. Depois, cada um marcou o seu próprio ritmo.

Eu gosto de correr e observar. 

Corrida com um percurso nada monótono, aplaudida pelos habitantes locais, emoldurada por imagens populares, típicas das gentes do povo e das aldeias genuínas...vendedoras de fruta e legumes...música nas ruas...um empregado de restaurante apregoando os seus petiscos...

De vez em quando o sol espreitava para logo se esconder atrás de uma nuvem mais teimosa. Algumas gotas de água desciam até aos nossos corpos como beijos suaves...Chuva que não chegou a ser chuva, sol que não aqueceu demais e vento quase brisa...

Que se podia desejar mais? Condições perfeitas para correr.

Domingo perfeito para alegrar as gentes. Muitas regressavam da Missa de Domingo de Ramos e ostentavam os ramos já bentos com que tinham  recriado a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Eu também corri com uma folha de oliveira retirada de um desses ramos e um lacinho de fita de cetim do Movimento Vencer e Viver (das mulheres mastectomizadas).

Corri sempre acompanhada. Com os que iam à frente e atrás. Com quem me acompanhou de vez em quando, lado a lado, ao meu ritmo. Com quem retardou o regresso às suas casas para gritar incentivos e aplaudir. Com quem me esperou no parque, pacientemente e, sobretudo, com quem não esteve presente. O alfinete que tinha aplicado na camisola, antes da prova, discretamente representavam as companhias que iriam correr comigo e por quem iria correr. Por isso, nunca corri sozinha.

 

Sou corredora...por prazer e por um sem número de outros motivos. Eu sei-os.

Os carrilhões emudeceram, não sei quando e permaneceram em silêncio. Mas eu tinha chegado. Conseguiste, Mãe! e Foi muito bem, Paula! soaram aos meus ouvidos como a mais bela sinfonia.

 

Que venham as outras corridas!

 

img224/8676/corridadossinoschegadanc2.jpg

 

À chegada ao parque (bem haja este desconhecido que me acompanhou)

 

img224/6180/corridadossinospraiapj9.jpg

Paisagem da Praia de S. Julião, onde passeámos após o almoço


É um prazer ler a tua descrição e aposto que os sinos do grande Convento ficaram emudecidos para não perderem uma pitada das tuas passadas. é uma beleza essa frase. "conseguiste, mãe"! E como os outros eu sem ver, também digo: "foste muito bem, Paula"! Foste sim, porque se foste tão bem na tua descrição, também foste, certamente, na tua pedalada. Muitos Bjs. e votos de grandes corridas para ti.
Ventor a 2 de Abril de 2007 às 15:46

Ventor,

As tuas palavras enternecem-me. Sim, porque parece que, sem me conheceres e sem saberes a "corrida" que esconde esta e outras corridas, a pressentiste. Por isso achaste beleza naquela frase.
Obrigada.
Paula
alemvirtual a 2 de Abril de 2007 às 16:01

Li o texto no Mundo da Corrida e vim logo espreitar aqui o blog...com muita pena minha este ano não pude participar na prova dos sininhos por uma malvada que me apareceu me casa à última da hora (Sra.D.Gripe!!!!), mas fiquei satisfeita por ter lido este relato. Sinceramente acho que é mesmo isto que se sente quando se corre!!Desejo muitas outras corridas assim tão boas. Beijoquitas!!!
Rosa Alexandra a 2 de Abril de 2007 às 20:39

Olá Rosa

Obrigada pelas palavras. Espero que a D. Gripe vá embora depressa e que possa rapidamente regressar às corridas.
Também já estive várias vezes no seu blog, através dos links colocados na AMMA.
Além do interesse recíproco pela corrida, parece que somos colegas de profissão:)

Beijinho
Paula

alemvirtual a 2 de Abril de 2007 às 21:03

Oi Linda..
Q prova bonita que você correu!
Linda esta Praia de S. Julião!

Olha.. pelas fotos que tenho visto nos blogs portugueses, tenho percebido que as provas são muito bonitas!

Quem sabe um dia não faço uma visita para vocês.. rs

Amiga, um super beijo...

Estarei te acompanhando de longe....

Jackelyne a 3 de Abril de 2007 às 01:53

Ola!

Parabenspela prova e pelas fotos
'tavas muito fotogenica
Gostei da fotografia da praia da Foz do Lizandro
'Tive la muitas vezes... o mar é terrivel mas para um puto de 8 anos eram ca umas banhocas...

Beijinhos
Mikerinos
Pedro de Sousa a 4 de Abril de 2007 às 11:59

Olá Ana Pinto

Entrei neste blog por acaso. Adorei a maneira como descreve a corrida, entrei nela e vivi novamente cada minuto daquela corrida. Nunca tinha lá corrido, adorei … vou passar a ser um cliente desta prova.
Comprimentos desportivos
carlo a 4 de Abril de 2007 às 14:53

Olá Carlo

Eu também nunca tinha feito esta corrida. Aliás, conforme se percebe, nunca tinha corrido 15Km em prova.
Adorei os "Sinos". Repicando alegremente ou permanecendo silelnciosos, os carrilhões ver-me-ao muito mais vezes...

Paula
alemvirtual a 4 de Abril de 2007 às 15:25

mais sobre mim
Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

17
20
21

23
24
26
27

29


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO