existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
09
Abr 07
publicado por alemvirtual, às 11:34link do post | comentar

img131/1599/tejofloridony3.jpg

Parecia que sorria.

Engalanada, vestiu-se festiva para me receber. Agitava-se nas bandeiras ondulantes sobre o Zêzere.

"Chegaste"... pareceu sussurrar-me. E eu murmurei baixinho "cheguei". Voltei e foi como se fosse a primeira vez.

Olhei em redor. Creio que ninguém entendeu o que em silêncio, dizíamos uma à outra. Foi o encontro de duas almas, ansiando por esse dia...nesses momentos, o diálogo mais intenso e gritante acontece quando o olhar permite que o coração se revele.

 

A vila vive com alma. A alma tece poesia. E nasce a vila-poema...nas ruas, nas praças, nas janelas, nas fontes, em cada canto e recanto...

Na confluência dos rios, as ninfas desertoras do agitado reino de Neptuno, aqui encontraram refúgio e por cá permanecem em idílica união entre o sonho do poeta e a simplicidade das gentes...nós sentimo-las... dançando ao luar, encantando as margens, rodopiando nas sinuosidades do rio...

Aqui, a mitologia não é esquecida.

Aqui a astronomia ganha terreno.

Mais uma vez, se cruzam as fantásticas formas de entendimento do mundo e do universo com a visão rigorosa e precisa, nascida de séculos e séculos de observação e ciência. As constelações desceram à vila-poema e descansaram na Praça. Aqui, eram apregoados os régios editais em tempos idos e aqui em tempos de agora, se continua a sentir o pulsar desta terra viva.

 

Desci escadinhas...ruas estreitas...passei por este "céu nocturno" e encontrei-me  frente ao Jardim Horto de Camões.

Reinava a azáfama que precede um grande acontecimento.

Aos olhares mais distraídos pareciam formigas laboriosas, correndo velozes, evitando um tropeção aqui e ali, em busca do rumo certo. Mas não....tudo e todos estavam onde queriam estar. Tinham um lugar certo e um propósito definido.

Decorriam as provas dos escalões mais jovens. Tinham começado manhã cedo.

Encontrei a minha equipa e juntos começámos o habitual período de aquecimento. Escolhemos a margem do Tejo e por aí fomos correndo e conversando...

Ia encontrando gente conhecida. Acenos de mão, sorrisos, algumas paragens para um beijo ou um abraço fraterno, àquelas que me são mais queridas...

Chegou a hora. Soou o tiro. Foi a primeira vez que fiz a correr aquele percurso verdejante, lavando os olhos no Zêzere... Tinha-lhe prometido que o faria e aqui estava a cumprir.

Senti-me nervosa...era como se aquela simples corrida requeresse a maior das precisões, como numa incisão...a mão não podia tremer...eu não podia falhar...bisturi na mão...gotas de suor gelado afloraram a pele. Apenas eu sabia a importância deste acto. Árdua tarefa, feita com amor...

Vivi toda uma vida ao longo dos minutos que se arrastaram...O tempo é tudo e o tempo nada é... É a força, a intensidade com que se vive. O corpo não acompanhou essa torrente. Eu voei...estive no passado e no futuro...no sonho e na vida...no presente e no agora...Parti muitas vezes, cheguei apenas uma.

 Ficticiamente o cronómetro marcava 52´ 38´´...o meu tempo. O oficial não sei, não preciso saber. Esse tempo foi um tempo especial. Máquina nenhuma o poderá alterar.

Sou eu, Constância. Eis-me aqui.

 

 

  img131/2097/tejo1yk5.jpg


Os meus parabens, mais uma prova mais uma viagem.
carlos Lopes a 9 de Abril de 2007 às 23:01

Posso por este bloq no meu??
carlos Lopes a 11 de Abril de 2007 às 19:04

Parabéns amiga, por mais esta prova.
Fico encantada pela forma que descreve cada prova que participa!
Também fiquei maravilhada com as paisagem desta prova!
Parabéns pelo ótimo resultado!

beijos
Jackelyne a 10 de Abril de 2007 às 00:57

Oi Aninha..
Passei aqui para lhe desejar um ótimo final de semana!

bjs
Jacke a 13 de Abril de 2007 às 17:18

mais sobre mim
Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

17
20
21

23
24
26
27

29


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO