existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
11
Out 07
publicado por alemvirtual, às 08:19link do post | comentar

 

Todos os dias, a tia canta para ti, junto da tua sepultura - embalando o vazio em carícias tantas vezes tocadas-  um fado em jeito de canção de embalar.

img232/8159/069cl8.jpg

Conta  a lenda de uma alga pequenina que, deixada na areia da praia, se transforma numa menina. Tu és a nossa menina, a nossa alga pequenina que ganhou vida, a nossa estrelinha caída na Terra...

Tu és, agora, um brilho acrescido no céu, a  pequena alga que o mar reclamou...

Mas nem o céu, nem a terra, nem as profundezas do mar roubam de nós a recordação do teu rosto de boneca.

img452/7983/corridadossinos2007076ap1.jpg

 

Há vários dias que não consigo treinar. Nem um só metro a correr. Mas tenho um plano de corridas a cumprir e gostaria muito de o concretizar...sem treinar? Falta-me a tua força. O mar era um plácido  lago, perante a intensidade e a tua força de viver.

img452/8281/margotsentadapraaki2.jpg


Paula, os teus últimos textos (e fotos) aqui no blog deixados têm-me deixado... em silêncio, sem saber que palavras dizer sem soarem ocas e inúteis ou até inadequadas e inoportunas, mas tenho sempre estado aqui a ouvir-te quando tu queres "falar".

Hoje, também não vou dizer grande coisa (ou tavez o seja). Deixo um poema de Isabel Lamas, feito canção pela música e voz de Carlos Vidal, e sobre o qual há uns 4 anos atrás apanhei a Maf na cama a chorar quando a tinha deixado a ler, e ao perguntar-lhe o porquê, ela pousa o livro e com os olhos cheios de lágrimas diz-me a soluçar baixinho como um adulto:

- é que esta história, mãe, é tão triste ..... (6 anos tinha ela nessa altura)

Falei-lhe da vida, do que não podemos ter, do que parte para estar melhor, mesmo que longe de nós, mesmo que o nosso egoísmo preferrisse que ficasse só connosco: Fiz-lhe ver que há coisas que para o seu bem e estarem melhores, não podem estar aqui na nossa mão, estarão melhores lá longe, e mesmo assim estão lá! Continuam nossas! São nossas, são do mundo.

Não sei se percebes o que quero dizer, se compreendes ou se acharás disparatado e despropositado. Mesmo correndo esse risco, deixo-te este doce e maravilhoso poema:

A Lua

Subi ao céu
Sem ninguém ver
E trouxe a Lua
Para a esconder
Queria guardá-la
Só para mim
Dar-lhe miminhos
Beijos sem fim

Olhei para ela
Estava a chorar
E então fui pô-la
No seu lugar
Agora à noite
Olho para o céu
Sorri-me ela
Sorrio-lhe eu.

-------------

Paula, descrente de tanta coisa como sabes que sou, numa coisa acredito:

A Margarete está lá no céu a sorrir-te, e vai querer ver-te sorrir também! A sua força está contigo Paula, trá-la tu dentro do teu peito, não a sentes?

Um beijinho Paula
e quando quiseres, para o que quiseres, ... sabes onde e como me encontares

Ana
Ana Pereira a 11 de Outubro de 2007 às 22:57

olá Ana.

Bem sei onde te encontrar, mas tu sabes que o dia-a-dia não nos deixa, muitas vezes, tempo para procurarmos e estarmos com os outros. Ou talvez, haja tempo, mas damos prioridades a coisas, como a lavar a roupa, a casa, as compras... Só o pensamento não precisa de tempos prórios nem prescinde da existência. Aparece e instala-se. Passo os dias a pensar nela, seja o que for que esteja a fazer.
Quanto mais o tempo passa, mais difícil está a ser. As saudades são muitas, as recordações acompanham-nos e a angústia da sua ausência atormenta-me. Estou, como sabes ou imaginas muito sozinha aqui. Não tenho família nem amigos.Os dias são vividos com muita tristeza e as noites não são melhores. Ainda bem que existem umas ajudinhas brancas para engolir com um copo de água. Só essas nos quebram a torrente de recordações. No outro dia, recomeça tudo de novo. É um dia a mais que eu enfrento e um dia a menos que ela viveu. A calma com que enfrentei os seus últimos momentos está a evaporar-se. Sinto que, se calhar, não fiz tudo quanto podia, sinto que fui eu quem acelerou a sua partida porque não a conseguia ver sofrer.

Sabes, ela costumava dizer-me` Ó mãe, tu és muito à frente!". Ria-se e brincava com essas palavras quando dizia que te escrevia ou que tínhamos combinado treinar juntas (só aconteceu um dia e por acaso foi na manhã em que ela começou a regredir...a deixar de ver). Era uma miúda fantástica, sem maldade alguma e com a simplicidade das pessoas sinceras. Ficava orgulhosa das minhas corriditas e das nossas provas em conjunto (eu e tu). Gostava muito de te poder dizer "Ana, vem treinar comigo" para lhe ouvir de novo a sua voz "ó mãe, tu és muito à frente".

Queria imprimir umas camisolas com a carita dela para participar nas próximas provas. Para os outros pode ser apenas "folclore" mas para mim teria muito significado. Queres que faça uma para ti?

A Maf também era para ela uma pessoa especial. Existem 3 "jovens" especiais e a quem ela adorava (além do manucho , claro): a Maf , a Paulinha e a Daniela. Eram relações especiais.
Um beijinho
alemvirtual a 12 de Outubro de 2007 às 09:15

mais sobre mim
Outubro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

14
15
16
17
18
20

21
23
25
26
27

28
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO