existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
07
Abr 09
publicado por alemvirtual, às 11:50link do post | comentar | ver comentários (8)

 

 

img86/8588/nve00007un6.png

No dia 24 de Maio de 2007 escrevi o post que transcrevo abaixo. Recolocá-lo é a minha forma de dar a conhecer (um pouco) a corrida pela vida que a minha filha travou e por quem muitos irão correr, agora que a prova dela terminou.

 

A todos os que correrão em Constância com o nome dela no pensamento, quero dizer "obrigada". Talvez, nesse dia, não possa agradecer a todos, por isso aqui ficam os agradecimentos antecipados.

 

O tempo - dizem - é o melhor remédio para quando se perde alguém. O tempo - diz a mãe - é o pior adversário. Logo após a partida fica um adormecimento em nós, um vazio apático, quase um alívio por ver aquela luta terminada. Depois, pouco a pouco volta-se à realidade e à vida. A uma vida que se tem que reaprender a viver, a equacionar de novo, a apreender o significado das palavras "nunca mais". E a ausência traz saudade. E as saudades trazem memórias e recordações que, apesar de doces têm sempre o travo amargo do não retorno. Todos os minutos são vividos com ela no pensamento. Partiu, mas está presente. Uma presença feita de amor, invisivel, mas constante. Em vida semeou amor e recebeu muito amor. Teve um pai maravilhoso, um irmão que a idolatrava e um marido apaixonado.

 

Continuo a vida tal como ela quereria que a vivesse. Cabeça erguida e um sorriso nos lábios.

Ela inverteu os papeis. A primeira partida deveria ter sido a minha. Um pequeno engano do destino, ou uma razão transcendente que, um dia, haveremos de entender. De novo poderemos dar as mãos e sorrir uma para a outra.

 

E é de mãos dadas e de corações unidos que estarei com amigos, com rostos conhecidos e outros desconhecidos, em Constância. É um gesto simples, mas de grande significado, porque de coisas simples se faz a vida. E é de coisas simples que o coração se reconforta.

 
A corrida pela Vida

img254/4272/paulaterrykp4.png

 

 

Há muito tempo que não corro. Há muito tempo que não escrevo.

Parece que passou uma eternidade, mas passaram apenas duas semanas. Como dizia Natália Correia num seu belíssimo soneto "tudo é eterno num segundo" .

Há apenas uns dias atrás, buscava alento e conforto na corrida e em algumas palavras que tentavam exorcizar fantasmas. Não sei se conseguia, mas tentava. Tinha coragem e força para isso. Participava nas corridas e era feliz nesses momentos. Agora, creio que corria, mas era numa fugida louca da realidade. Numa corrida sem tréguas, contra o desânimo, que eu impunha a mim mesma.

 

Hoje, não posso escrever. A realidade é sofrida em demasia para caber em palavras. O presente tão presente e o futuro tão incerto que não permite ser expresso numas quantas frases soltas.

 

Não sei quando voltarei a correr. Não sei se voltarei a calçar umas sapatilhas e a sair por aí, contra o vento e os pensamentos negros que teimava em deixar atrás da porta fechada.

 

Comecei uma outra corrida e, agora, quero ver portas abertas e barreiras caídas. Porém só vislumbro portas fechadas e barreiras erguidas. Nesta corrida não preciso de sapatilhas e o treino faz-se à medida que os minutos se escoam e as horas dão lugar a outras horas...

 

Perto de mim, há uma pessoa que não desiste, que teima em vencer e em viver: é a minha filha. Faz uma corrida solitária contra um invasor mortífero. Luta desigual, mas luta heróica da sua parte. Gostaria que todos a conhecessem e que o seu exemplo de vida, de coragem, de abnegação, pensando nos outros mesmo quando o seu sofrimento é atroz, fosse lição de vida para muitos. Quantos desperdiçam a própria vida...quantos desejariam poder viver...

Talvez um dia, quando o tempo permitir algum distanciamento tente pôr em palavras a sua história de vida. Ficará sempre aquém do seu testemunho maravilhoso de fé e coragem. Será um pálido reflexo do ser angelical que Deus quis me dar por filha, mas dá-la a conhecer será o mínimo a fazer, tentando infundir coragem a quem se sentir desalentado.

 

Aguardo um milagre e não quero perder o fôlego na sua súplica. Como quando comecei a correr..."se correrres e não conseguires falar é porque estás a ir depressa demais". Mas eu quero uma estrada para o céu para nela correr e ainda que chegue ofegante, bastar-me-á que num derradeiro sopro de vida, consiga alcançar a minha prece.

 

Aqui, neste mundo virtual, a quem existir com fé, peço que se juntem a mim em oração nesta luta pela vida.

 

Por ironia, a última prova em que participei foi precisamente numa corrida contra o cancro...

 

Bem hajam.

 

Ana Paula Pinto

 


mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
16
18

19
22
24

26
27
28
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO