existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
25
Abr 09
publicado por alemvirtual, às 09:49link do post | comentar | ver comentários (10)

Ontem, dia 24 de Abril, pelas 21h 30min, correu-se o IX Grande Prémio de Atletismo Rui Silva. O vencedor desta 9.ª edição foi Yousef el Kalai, do Futebol Clube do Porto, que bateu o record da prova, percorrendo os 10 km em 28m41s.

O 2.º classificado foi Rui Pedro Silva, do Maratona CP, com o tempo 29m28s, e o 3.º o queniano Vítor Bitok, com 29m36s.

 

Rui Silva, natural do concelho do Cartaxo, que dá o nome a esta prova, ficou em 6.º lugar, com o tempo de 30m10s.

 

No sector feminino, Clarisse Cruz, Sportinguista, foi a primeira, com o tempo 35m23s. Em 2.º ficou Mónica Silva, do FC Porto, com 26m00s, e em 3.º Ana Ferreira, do GD Estreito, com 36m53s.

 

Uma prova com excelente organização, que se percebeu desde a entrega dos dorsais, ao corte do trâsito, orientação no percurso, abastecimento de água, até à distribuição dos prémios.

Um ambiente animado, de verdadeira festa, antes, durante e depois da prova, com música e a população do Cartaxo apinhada nas ruas, aplaudindo e incentivando todos os atletas. Notou-se, especialmente, o carinho que dispensavam ao alteta homenageado Rui Silva, natural deste concelho.

O povo saiu à rua. Disparavam-se flashes, eternizando mais um momento desportivo e de alegre convívio entre as gentes ribatejanas.

Um prova com percurso circular, dando três voltas no coração do Cartaxo. Com algumas subidas e descidas, é uma prova rápida que apela à entrega total dos atletas.

 

 

A minha corrida ou a noite antes da Liberdade

 

Talvez sejam assim as noite que os poetas exaltam em versos soltos e palavras sentidas. Uma noite carregada de emoção. Uma noite antecipando uma emoção maior, como grito aprisionado na garganta e finalmente libertado. Grito que ecoa no silêncio da noite. De uma noite tecida em veludo negro e em estrelas brilhantes. Noite fria, ventosa, como o travo amargo dos corações frios e empedernidos, daqueles que desdenham dos sorrisos nos rostos das pessoas felizes. Tal como o sabor amargo se dilui na ternura de um beijo, também o vento perde a força agreste no encontro dos corpos quentes e suados de quem faz da corrida o seu grito de liberdade. Então, o vento é aliado. Desiste de lutar e, embora persistente, nada pode contra a firmeza ds promessas de quem jura fazer dessa noite uma noite sagrada.

A última noite de repressão, ou a primeira noite de liberdade. Nem ventos, nem tempestades esgrimindo as suas espadas podem nada contra a vontade de quem sonha.

São noites para saborear devagar. Suavemente. Como dedos que levemente tocam as pétalas de uma flor...como quem aspira o seu perfume...enebriando-se...embriagando-se...para, atordoado de prazer, ensaiar uns passos hesitantes na loucura de quem deixou de ser...já não é o sonho que vive nele, mas o sonho tornado vivo...o mundo toma a cor e o cheiro da for.

Olho-o. Olho este mundo. Contornos perfeitos de um mundo sonhado perfeito...

E a noite tão alta...A alvorada tão perto.

Chega a hora de viver o sonho.

 

 

Completei a prova no tempo de 57´58´´ - tempo oficial.

 

Tive o enorme prazer de encontrar o senhor Carlos Viana Rodrigues da AMMA http://www.ammamagazine.com/ em mais uma reportagem fotográfica, da qual tomo a liberdade de apresentar algumas (Fotos de C. V. Rodrigues e José Gaspar):

 

A partida

 

A chegada

Na minha primeira volta

 

A chegar à Meta

Um aceno ao Carlos Viana Rodrigues

 

 

Para o ano, lá estaremos...

 


mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
16
18

19
22
24

26
27
28
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO