existe sempre alguém ...passo e fico como o universo...
19
Abr 07
publicado por alemvirtual, às 08:26link do post | comentar

(foto retirada de: pwp.netcabo.pt/johny/gintonico/cravos.jpg)

 

Por vezes, quando se gosta de algo há a tendência para estabelecer comparações ou analogias entre conceitos, ideais ou valores.

Apercebi-me que, ultimamente, comparo muitas vezes a corrida e tudo o que a envolve a situações da vida quotidiana, do real e da sociedade.

Foi o que me aconteceu, hoje, ao reflectir um pouco sobre o significado que a Revolução de Abril teve ontem e aquele que assume hoje, sobretudo para as gerações pós-fascismo.

 

Há 33 anos atrás, alguém organizou uma corrida diferente. Chamaram-lhe "Corrida pela Liberdade".

O povo acorreu em massa, ao chamamento. Concentrou-se. Sentiu a adrenalina invadir-lhe o sangue...inundar-lhe as veias...o coração acelerado, batia ao compasso da expectativa do momento...

Soou o tiro de partida aos acordes melodiosos de palavras cantadas, versos em bocas de poetas e sonhadores...

O pelotão avançava enérgico, compacto, imenso...

Muitos se foram juntando, aplaudindo e incentivando. Chorava-se de emoção, de alegria mal contida, refreada por anos de espera, chorava-se de esforço...

Sonhava-se o caminho, projectava-se um percurso fecundo de paz e de pão...

 

Mas alguns deturparam o caminho. Pouco a pouco tomaram atalhos...surgiram atropelos...agudizaram os trilhos. Já não corriam connosco. Corriam por outros caminhos e outras estradas confusas conduziram-nos à libertinagem, à tirania do mais forte, à subjugação do mais fraco, à violência gratuita, ao vandalismo e a outros contra-valores.

 

E o pelotão, outrora compacto, foi-se dispersando e muitos ficaram pelo caminho...

 

A prova continua em aberto e renova-se em cada ano, em cada dia e em cada momento...

Aceitam-se participantes de todos os escalões sem inscrição prévia. Basta querer.

O prémio é alicitante e chama-se "Liberdade".

 

(Nota da Organização:

- É uma corrida contínua

- Os atletas mais experientes devem ensinar os principantes a dosear o esforço para não haver desistências nem acidentes no percurso

- Não precisam de atestado médico nem de robustez física

- Garante-se uma sólida formação moral e prémios para todos

- O prémio recebe-se à partida

- Deve-se conservar intacto o prémio, durante todo o percurso

- No final da prova deverão fazer entrega do seu testemunho ao atleta que lhe suceder)

 

 

Para reflectir: Como é que eu vivo os ideiais de Abril, na minha vida? Que valores persistem? Qual é o meu testemunho?

 

 

"Em toda a parte só se aprende com quem se gosta."

Johann Goethe

 

 


Olá Paula
Ando a tratar disso. O blog ira falar de associações humanitárias, grupos de voluntariado, casos como o post do outro blog que tenho. Sempre fui uma pessoa de ajudar, vejo isso nas minhas corridas, tento sempre dar uma palavra de conforto, há pessoas que por alguma razão naquele momento perderam as forças. Já tive quebras em provas e foi graças a essas palavras que fui buscar forças. Mas gostava de ter a tua ajuda neste blog.
carlos lopes a 21 de Abril de 2007 às 13:33

mais sobre mim
Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

17
20
21

23
24
26
27

29


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO